Literatura em Libras

de Rachel Sutton-Spence

Parte 4 - A relação entre a sociedade e a literatura em libras


20. Cânone e antologias de literatura em Libras

objetivo

20.1. Objetivo

Este capítulo vai analisar os conceitos de cânone e de antologia, respondendo à pergunta: “o que faz parte de uma antologia de literatura em Libras?”. Ao longo deste livro, falamos de literatura surda usando exemplos de poemas e narrativas em Libras. Já descrevemos a forma, a origem e a função da literatura. Neste capítulo, perguntamos o que estudamos, como escolhemos os exemplos e por quê. Como se cria uma coleção de textos em Libras para ser estudada e apreciada e como avaliamos as obras literárias para dizer que são boas? Quem as escolhe?

Nos últimos anos, a literatura em Libras se tornou um tema de estudo de nível universitário, surgindo a necessidade de acesso a alguns exemplos para o ensino. Embora atualmente poucas escolas de surdos ensinem literatura em Libras, as que a ensinam também precisam de recursos. Temos pesquisas acadêmicas e estudos sobre literatura em Libras, incluímos conteúdos de literatura nas escolas e nas instituições de ensino superior, mas devemos perguntar: o que estudamos e por quê?

Podemos dizer que uma antologia de literatura surda em Libras deve incluir histórias ou outras performances que são parte do “cânone sinalizado”, como narrativas originais de autores específicos, adaptações de narrativas tradicionais para se adequarem à realidade dos surdos e traduções de narrativas tradicionais ou de outras narrativas de línguas escritas (MOURÃO, 2011; 2016).

21.2 Antologia ou cânone?

Um cânone é um conjunto teórico das produções literárias que os líderes de uma comunidade e os seus membros reconhecem como “principal” ou “melhor”. Os exemplos que representam o cânone de literatura em Libras são aqueles que os surdos apontam como de literatura surda no Brasil, e que são discutidos por pesquisadores e professores de maneira ampla. O cânone não existe fisicamente, de uma forma concreta. É a ideia do conjunto de todos os textos e produções literárias. O cânone de literatura em Libras é a base da criação de qualquer antologia de literatura nessa língua. Uma antologia, sim, tem forma concreta.

O cânone de literatura surda no Brasil começou com a criação do curso de Letras Libras na modalidade a distância em 2006, na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Os alunos desse curso (tanto os de 2006 quanto os de 2008) estudaram as disciplinas de Literatura visual e Literatura surda, com foco específico na literatura infantil. Os textos literários escritos e em sinais estudados fundamentaram as ideias do cânone que continuam até hoje. Os mesmos estudantes passaram a ser nossos professores e intérpretes de Libras, desse modo eles também perpetuam esse cânone em suas aulas e pesquisas. Porém, nenhum cânone é fixo, o crescimento da literatura em Libras permanece. Sendo assim, precisamos entender que ele já ampliou e mudou.

Di Leo (2004, p. 03) define uma antologia como "uma coleção de escritos conectados ou inter-relacionados que se centram em torno de um tópico." (Tradução nossa). Há antologias de literatura feitas a partir de uma seleção de todos os gêneros ou (por exemplo) apenas de poemas, de narrativas ou de contos. Imaginamos uma seleção de poemas em Libras sobre ser surdo e ser brasileiro ou, ainda, de contos e lendas de surdos de uma região do país. Uma antologia geralmente apresenta textos de vários autores. Um organizador (que não é o autor) seleciona os textos e pode fazer comentários adicionais sobre o que escolheu.

Algumas antologias incluem apenas textos já publicados, mas ainda é cedo para exigir essa condição da literatura em Libras. Entendemos que uma antologia de literatura em Libras pode ser feita com trabalhos novos e/ou antigos. O importante é que os textos sejam selecionados de acordo com os critérios do organizador (SUTTON-SPENCE; MACHADO, 2018).

As antologias tradicionalmente promoveram e divulgaram textos literários que não estavam facilmente disponíveis, mas sabemos que hoje existem muitos poemas e narrativas na internet, que permite o acesso fácil às produções. Apesar disso, antologias de literatura surda ainda são imprescindíveis, pois esta é pouco conhecida no Brasil. Muitas pessoas surdas quase que desconhecem sobre a riqueza do seu próprio patrimônio linguístico e são muito poucos os ouvintes que a conhecem. Uma antologia pode mostrar a diversidade da literatura atual. As antologias são fundamentais especialmente para o ensino, para ajudar pessoas (principalmente os professores) a encontrarem diferentes tipos de literatura em Libras valorizados pela comunidade surda, com orientações sobre como usar os textos para estudo, ensino e apreciação (SUTTON-SPENCE; MACHADO, 2018; WILLIAMS, 2004).

20.3. Antologias de literatura surda e literatura em línguas de sinais

Existem antologias de literatura surda escritas por surdos que apresentam trabalhos selecionados por vários autores. A antologia literária “O som das palavras”, publicada em 2003, mostra o trabalho escrito em português por surdos.

Também existem antologias de poemas escritos por poetas surdos. Essa ainda é uma área a ser desenvolvida no Brasil, embora o livro “Os Meus Sentimentos em Folhas”, de Ronise Oliveira (2005), seja uma coleção de uma pessoa surda publicada no Brasil em português escrito.

As coleções e antologias de poemas em Libras de um único autor também existem para documentar, preservar, promover e tornar acessível o trabalho de poetas surdos. Essas antologias foram produzidas em filmes, fitas de videocassetes, DVDs e agora estão na internet - nas plataformas de vídeos e nas redes sociais - em números crescentes em todo o mundo. Em Libras, o vídeo Literatura em LSB (NELSON PIMENTA, 1999) foi o primeiro a ser publicado fisicamente, e isso contribuiu para que ele fizesse parte do cânone da poesia em Libras; mas, hoje, a tecnologia também tem permitido a divulgação de outras obras.

20.3.1. Antologias de literatura em Libras

A tecnologia da internet e as plataformas que armazenam e exibem vídeos on-line permitiram o desenvolvimento de antologias nesse mesmo sistema de vários tamanhos. Aqui no Brasil, existem diversas coleções importantes, tais como culturasurda.net e Librando, que fornecem links para arte surda e produções culturais em Libras e outras línguas de sinais. As coleções da TV INES e Mãos Aventureiras disponibilizam traduções para Libras de livros infantis escritos em português, mas que não incluem comentários sobre os textos ou a respeito da seleção deles.

A antologia de Libras (organizada por Fernanda Machado) compreende poemas selecionados de fontes diferentes (como YouTube, DVDs comerciais, festivais e cursos de ensino de poesia em Libras), todos com metadados e notas introdutórias que trazem os perfis dos poetas (nomes, sinais pessoais e outros dados como idade e profissão), o contexto de apresentação do poema (local, data e extensão), a forma e o conteúdo dos poemas e seus públicos-alvo (como crianças, estudantes e membros adultos da comunidade surda).

A antologia de literatura em Libras do Portal Libras da UFSC contém poesia, contos e narrativas de diversos gêneros (poemas, ficção original de autoria surda, contos infantis, lendas e narrativas pessoais) e foi criada para ser um recurso para professores e alunos de Libras (como primeira língua - L1- ou como segunda língua -L2), pais de surdos, pesquisadores e membros da comunidade surda. Os critérios para inclusão de obras nessa antologia incluíram a diversidade de gêneros literários e de perfil demográfico dos artistas surdos brasileiros. Além disso, outros critérios importantes delimitados englobaram a estrutura, a clareza dos sinais, o uso de técnicas literárias com incorporação e ritmo e a duração (de 1 até 4 minutos). Acima de tudo, todos os textos deveriam ser inesquecíveis. Cada produção conta com anotações detalhadas sobre o autor e o texto para orientar os seus usuários. Se essa antologia não existisse, o livro que você lê agora também não existiria.

20.4. O público das antologias de literatura em Libras

No capítulo 06, vimos a importância do público de literatura em Libras. As antologias sempre têm um público em mente e consideram as demandas dele. Podemos esperar que os membros da comunidade surda sejam considerados o público-alvo de uma antologia de literatura em Libras para que eles possam apreciar as produções da sua cultura. Todo dia, vemos exemplos individuais compartilhados nas redes sociais, porém precisamos de uma coleção que dure, para que os surdos brasileiros possam ter uma coleção de obras para assumirem como “sua”.

As antologias também são feitas para os poetas e contadores de histórias de Libras, que, assim, podem acessar possibilidades de fazer novas criações baseadas em textos dessas coleções. Pesquisadores de literatura em Libras também precisam de uma antologia. Antigamente, nessas pesquisas, eram utilizados textos isolados, ou uma pequena seleção deles, simplesmente por falta de acesso a outros materiais. O tamanho maior das novas antologias de Libras permite melhores análises literárias, linguísticas e culturais. Professores e alunos precisam com urgência de antologias de literatura em Libras. Precisamos utilizá-las na escola para promover o orgulho linguístico e cultural e para criar a próxima geração de poetas de línguas de sinais.

As antologias são importantes, também, para os aprendizes de Libras como segunda língua. Stephen Ryan (1993) argumentou que os iniciantes no aprendizado de ASL aprendem sobre a língua e sua cultura através do estudo da literatura em ASL, mas para isso, eles precisam ter acesso ao material certo. Os poemas publicados atualmente no YouTube, ou em outros sites da rede, podem complementar obras canônicas, mas os professores e alunos precisam de um corpus básico de poemas para estudarem, especialmente aqueles referidos em publicações de pesquisa.

As notas introdutórias de uma antologia podem ajudar a todos os usuários que tiveram menos oportunidades de estudar literatura em Libras em profundidade. As informações biográficas sobre o artista, os dados históricos das obras, sua relação com outras ou as sugestões de interpretação, tudo isso ajuda na compreensão da literatura.

20.5. O papel do organizador

As antologias acadêmicas e de ensino atual das literaturas escritas, como a literatura brasileira da língua portuguesa, geralmente são feitas por pessoas reconhecidas dentro de suas comunidades literárias. Alguns exemplos são a seleção de textos de História Concisa da Literatura Brasileira, de Alfredo Bosi (lançado em 1970, mas até hoje um livro canônico na área) e a coleção Os cem melhores poemas/contos/crônicas da editora Objetiva (lançados na primeira década dos anos 2000 com diferentes organizadores).

Os editores de antologias de ensino frequentemente também são acadêmicos e professores. As antologias de literatura em Libras devem ser criadas por equipes de surdos e ouvintes, professores, poetas, artistas e pesquisadores. No fim das contas, todas as decisões dos editores não passam de preferências pessoais, mas o julgamento editorial sobre o que deve ser incluído em uma antologia de poemas em Libras será influenciado pela experiência de poetas, pesquisadores acadêmicos e membros da comunidade surda. Um organizador que conheça bem a comunidade surda pode selecionar os textos, negociar com os poetas na comunidade, escolher títulos, caso seja necessário, e expor suas observações.

20.5.1. Seleção de conteúdo

Uma antologia é uma seleção feita dentre muitos textos. Essa compilação tem várias implicações importantes, porque as antologias não são somente exemplos concretos de cânones abstratos, mas também criam o cânone (DI LEO, 2004). Em Libras, por exemplo, talvez o que esteja numa antologia de um gênero de literatura defina aquele gênero.

Muitos editores e usuários acreditam que o conteúdo deve representar a melhor literatura disponível, contudo os julgamentos sobre o que é “melhor” variam. Um público hoje pode achar que as obras literárias mais antigas pareçam fora de moda, e algumas pessoas hoje podem até sentir que certas obras sequer sejam consideradas literatura em Libras (por exemplo, poemas traduzidos do português).

O editor deve criar uma antologia que represente poetas de diferentes contextos sociais, com uma seleção deliberada. Na escolha de obras para uma antologia de ensino, seria bom tentar mostrar as experiências da mais ampla visão dos surdos quanto possível. Por exemplo, apesar de o nosso foco ser a literatura em Libras, é bom lembrar que a literatura surda e sinalizada é, muitas vezes, acessível em outras línguas de sinais. Uma antologia de poesia escrita para os leitores brasileiros dificilmente incluiria poemas em alemão ou em inglês, porque os idiomas não são acessíveis a quem não domina essas línguas. Mas uma antologia de ensino em Libras pode incluir exemplos de literatura surda sinalizada internacional, mesmo para uma turma brasileira. Além de falar de Libras, podemos mostrar exemplos de obras de surdos da Alemanha, Suécia, Holanda, Inglaterra e EUA porque, com uma explicação mínima, o público brasileiro pode entender e aprender bastante sobre essa literatura.

Dentro do Brasil, uma antologia deve representar os surdos do país inteiro. Por exemplo, contos e poemas de surdos gaúchos, nordestinos e cariocas mostram a diversidade e a riqueza da experiência do povo surdo do Brasil. Seria bom escolher obras que representem igualmente artistas homens e mulheres. Por diversas razões, os artistas masculinos de Libras (e das línguas de sinais de outros países) são mais presentes nos espaços públicos. É importante, portanto, incluir os trabalhos femininos para promover e incentivar tanto essas artistas quanto os públicos a participarem na criação e divulgação das suas próprias obras.

Apesar de o povo brasileiro e da comunidade surda brasileira pertencerem a um único povo, existem heranças familiares étnicas que fazem parte da sua riqueza multicultural. Sabemos que as tradições indígenas, africanas, japonesas e europeias, por exemplo, são diferentes e é importante que uma antologia de literatura em Libras mostre essa riqueza. Podemos incluir e celebrar a literatura de todas as heranças étnicas dentro da comunidade surda.

A idade dos artistas ou contistas numa antologia de Libras também pode torná-la mais representativa. Os tópicos das obras e os estilos de apresentação serão diferentes dependendo se a pessoa é criança, adolescente, adulta ou idosa. Para representar a diversidade da literatura e promover a inclusão social para um público de todas idades, uma antologia deve incluir exemplos de Libras literária de todas as faixas etárias.

Embora a Libras seja uma língua antiga (sabemos que já era usada nos anos 1860, e com certeza antes disso), o registro literário é muito mais recente e não temos muitos exemplos de gravações de Libras artística antes do final do século XX. Apesar disso, uma antologia pode incluir recursos que mostrem as diferentes formas de poesia e narrativas em diferentes épocas.

20.5.2. Gênero literário

Vimos nos capítulos 07 e 08, que os gêneros de literatura são caracterizados conforme a sua forma, origem, seu conteúdo e o público-alvo. O organizador pode escolher obras de literatura de um gênero específico (fábulas, narrativas, poemas líricos e teatrais, duetos e performances grupais, haicais e renga, duetos, poemas de homenagem etc.).

Os gêneros literários de Libras numa antologia, apesar de variados, devem ser apresentados por homens, mulheres e por pessoas de diferentes idades e etnias, além de também incluir conteúdo destinado para esses diversos públicos.

resumo

20.6. Resumo

Pesquisas e criação de antologias de literatura em línguas escritas podem ajudar na criação de antologias de Libras. Questões sobre a responsabilidade do editor e a seleção de textos são parecidas, e é importante para todas as antologias identificar o seu público. No entanto, as diferenças sociais, culturais e históricas entre as comunidades surdas e ouvintes, bem como as principais diferenças entre os poemas escritos/impressos e sinalizados/gravados em vídeo, exigem que os editores façam escolhas adicionais e encontrem soluções para problemas específicos. Como a literatura em Libras é pouco conhecida (mesmo dentro da comunidade surda), há poucos guias acadêmicos ou modelos para se tomar como embasamento. É um desafio garantir que todos os usuários concordem a respeito da "qualidade" das obras sobre ela. A distinção aparentemente simples entre coleções impressas e gravadas em vídeo tem implicações em todas as etapas. Embora tenhamos a necessidade de proteger qualquer antologia contra mudanças tecnológicas, a existência do gênero antologia cria uma ferramenta fundamental para se preservar, promover e disseminar a literatura para membros da comunidade surda e aprendizes de Libras.

atividade

20.7. Atividade

  1. Escolha uma antologia de literatura surda escrita ou literatura em Libras e responda:

    • Quais são os gêneros literários presentes nessa antologia?
    • O que você acha da função da antologia?
    • Quem é o público-alvo dessa antologia?
    • Quantas obras estão na antologia?

O que você pode falar sobre o perfil dos artistas ou autores? (São homens ou mulheres? Há informações sobre a idade, a região ou outras características?)

  1. Crie sua antologia fictícia de literatura em Libras!

Escolha 10 obras para a inclusão e justifique por que você selecionou esses exemplos.

  • Quais são os gêneros literários que você selecionou?
  • O que você acha da função da antologia que você criou?
  • Quem é o público-alvo da sua antologia?